Apoios:

Passeio BTT 04Out2015

Domingo, 04 Outubro 2015

Há muito que não apreciava uma manhã de Domingo tão farrusca… foi difícil tomar a decisão de sair de casa com esta manhã de muito nevoeiro, chuva e vento, fatores suficientes ao transtorno psicológico que, a muito custo conseguira dar-lhe a volta! Mas consegui…ser Moukista é, também, isto; vontade e determinação fazem parte desta classe humano-animalesca que sai do seio familiar para sentir na pele todo o tipo de adversidades com muita chafurdice à mistura. O perímetro do circuito foi traçado de forma a não nos afastarmos muito do nosso pouso, o nevoeiro era cerrado e o receio em perdermos algum dos nove Moukistas era tido em conta. Passavam alguns minutos das 08:00 quando partimos do LR, nos primeiros metros a conversa fluía mais do que a pedalação, tenho que reconhecer que o grupo sem o Toninho não passa de mediano! Saímos em direção ao parque da Anta, no nó de Agualva/V.Seca encaminhamo-nos para o sopé da serra da Carregueira, após termos feito uns quantos single-tracks e reparado um furo continuamos no constante sobe e desce, depois de ladearmos a quinta do Bonjardim fizemos o link da transposição junto do cemitério da quinta da
Fonteireira para a serra de Belas, por aqui o nevoeiro era ainda mais denso não se via um palmo à frente do nariz, a boa disposição do grupo era mantida e, fluidamente as graçolas saiam da boca dos mais atrevidos, o arfanço era agora uma constante que só foi dissipado quando atingimos o topo da serra, o desconforto fazia-se sentir nesta paragem de lanche-matinal, o vento soprava forte e fazia com que o grupo rapidamente se pose-se em movimento, depois das fotos da praxe já pedalávamos em direção ao Belas Clube, depressa alcançamos o trilho que nos trouxe até à entrada do túnel, foi sempre na bolina! Estávamos juntos à prisão da Carregueira a descida que se seguia e, que eu conheço há muitos anos, está agora altamente adrenalitica…que maravilha, trilhávamos junto a Casal da Mata e movimentávamo-nos para Tala, este trilho quando chove é bem complicado! é não é JPaulo? Três dígitos em queda livre encima de calhaus não há joelho que resista, as melhoras amigo! Muito gelo nisso. Depois de uns minutos de paragem em estabilização ao homem de peso do pelotão Moukista, avançamos para a mata de Fitares, rampeámo-la e descemo-la, atravessamos a ponte dos comboios, as hortas do Cacém eram alcançadas e, o término do passeio domingueiro estava prestes a acontecer. Não foi um passeio extenso, apenas 35Km e aproximadamente 900mt de altimetria ascendente, não foi extenso mas foi o que fizemos e fizemo-lo bem! Pois, manhãs destas são sempre complicadas pelas variadas adversidades de clima e terreno. Já em Agualva, ainda tivemos tempo de por a conversa em dia e fazer a degustação do sumo de cevada. Até prá-semana, abraço.
“O Moukista sentado” 

1 comentário:

José Gonçalves disse...

Mais um passeio à maneira,
nem a chuva, nem o nevoeiro fizeram estes 9 moukistas desistirem do passeio domingueiro,com muitas subidas e descidas bem escorregadias, muito bom.
Só tenho pena de ter atirado o João ao tapete, desculpa amigo, espero que esteja tudo bem.

Abraço a todos e até domingo