Apoios:

As curvas do Oceano

Domingo, 26 Abril 2015

“Curvas do Oceano” A história deste duro passeio fez-se com onze Moukistas que pedalaram durante 04:30, percorreram 47Km e levaram uma coça física sumptuosa numa manhã que começou simpática, mas, que se tornou madrasta nos últimos 13 Km, a chuva indesejada quis endurecer o áspero raid que teve inicio e fim na Terrugem. Para alguns de nós a vontade de ir pedalar era surreal. A atividade física de fim-de-semana tinha começado no sábado com o pedestre, para quem não está rotinado, é o meu caso, ficam algumas sequelas musculares, mais uma noite de muita precipitação, dá uma soma de pouca vontade. Mas este vício é tremendo e às 06:10 já estava a espreitar pela janela, os neurónios ainda adormecidos, refletiam single-track junto ao Oceano Atlântico e, quando assim é! há que fazer a vontade à mente e ao corpo, por esta paixão.
Após curta viagem de carro até à Terrugem. Às 08:00 demos início à pedalação, fomos passando por Alfaquiques, S.João das Lampas, Catrivana foi por aqui que fizemos a aproximação aos trilhos falezianos, pessoalmente considero-os excelentes e divertidos, antes de chegarmos a foz do Lizandro passamos por Barril de Baixo, com toda esta diversão os quilometros iam sendo feitos e, sem darmos por isso estavamos em São Julião, é uma janela virada para o mar, para a praia e para o rio Lizandro, espaço privilegiado e reservado a este grupo de Moukistas, que quis fazer o lanche matinal e tirarem umas fotos de grupo. Realizamos a descida em areia solta, aproximamo-nos do vale do rio Lizandro com uma pedalação forte e virtual, bordeamos Valverde, descemos para o Carvalhal, foi por aqui que fizemos uma pequena paragem de hidratação.
Seguimos viagem ainda montados, seria por pouco tempo, a dura subida estava prestes a ser iniciada, e foi.., estávamos no Km 32.7 e 25mt de altitude, tínhamos que alcançar o Km 34.2  e subir até aos 175mt, foi mesmo muito duro e sempre com ela à mão… que canseira do c…… perdoei-me o desabafo, senti-me um abandonado pela vida sã, momentaneamente só,  tive um transtorno de personalidade, o transtorno foi passando fui ganhando lucidez e voltei à pura realidade e, sem alucinação tive que alcançar o topo da subida, já junto ao moinho fiz o relaxe e normalizei a respiração. Pouco depois o grupo estava reagrupado e em movimento, faltava mais de uma dezena de Km para o término do passeio, a chuva quis fazer-nos companhia e o massacre continuou…Foi assim a historia deste duro passeio feita por duros Moukista. Às 12:30 estávamos a desmontar das bikes e demos por concluído o nosso passeio na Terrugem. Os Moukistas, desde há algum tempo, deixaram de prenunciar o verbo soft, a dureza persegue-nos consecutivamente semana a semana…Estimado LC, agradeço a subtileza de retoque dourado que deste a este bem desenhado track e, que ainda hoje (terça-feira) padeço de alguma fadiga muscular dos membros inferiores. Obg ao grupo de Moukistas que compareceu a este, duro mas temperado, passeio Domingueiro. Abraço do “Moukista sentado”


2 comentários:

Alfredo Guerra disse...

Depois de ter lido a cronica e visto o vídeo, cada vez mais me parece que o meu marido faz parte de um grupo de estouvados!
Adelaide G.

Moukista PL disse...

Os trilhos que mais gosto de percorrer. Os do litoral oeste. Algum desapontamento por não ter tido possibilidade de participar, mas a vida continua e com certeza haverá muitas mais oportunidades de regressar a esse paraíso do BTT.

Bem haja, Moukistas.
Sempre meia roda à frente.