Apoios:

O verdadeiro Penedo do Gato


Domingo, 15 março 2015

Ao longo da semana foi sendo criado algum suspense sobre o passeio de fim de semana, não pela extensão de quilometragem que iria ter (43km), mas, pela dureza física e técnica que iriamos encontrar. O penedo do gato na serra da Carva (Loures) foi o destino de treze moukistas que apareceram para pedalar numa manhã fresca e de muito sol.
Saímos do LR à hora do costume 08:00, numa pedalada descontraída, a boa disposição impunha-se no moukopelotão que se dirigia para a serra de Belas, via Idanha, cruzamo-la para logo depois passarmos por casal do Brejo, Dona Maria, Alto do Miradouro e Bairro dos Pedrogãos, aproximava-se a primeira grande descida que nos iria levar até a Pai Joanes e Tojalinho, a dureza dela é notável, ombros e braços de cada um, iam dando sinal de dor e desconforto, é nestes momentos que temos que cerrar os dentes e irmos ao fundo do saco buscar todas as reservas que por lá existam, quando assim não é, surgem os medos as perdas de confiança e, algo de qualquer coisa vai correr menos bem, o Pires provou do veneno da descida, a queda foi inevitável e o corpo é que pagou, ombro com deslocação, os restantes quilómetros tiveram que ser feitos em desconforto… este nosso desporto que tanta boa disposição nos dá, também, por vezes, nos oferece dissabores e sofrimento, existiram mais umas quantas quedas, mas, de menor relevo. Depois da descida e, para compensar e equilibrar o track/relevo vieram as subidas, subidas e subidas. Atingimos o penedo do gato, fizemos o merecido descanso, lanchamos e tiramos umas quantas fotos ao grupo e ao penedo, o gato não se deixou fotografar. O percurso que até aqui tínhamos feito, fora quase sempre acompanhado de paisagem excelente, aqui na serra da Carva deslumbrámo-nos com a extensão a perder de vista, da muita e bela natureza que nos envolvia.
Estava na hora de continuarmos a pedalar e mais uma subida de dificuldade acentuada até ao parque eólico de Bolores, atravessamo-lo e, seguidamente mais um parque eólico enorme, Migarrinhos, descemos queles estradões a uma velocidade incrível, para logo de seguida, voltarmos a subir e a descer até Albogas. Os últimos adrenalitícos kms fizeram esquecer o sofrimento provocado pelas últimas subidas. O pior e o melhor do percurso do passeio já tinha sido feito, restava-nos chegar ao LR via Almargem do Bispo, Sabugo, ladeamos a serra da Carregueira, Tala e Agualva. Pouco passava das 12:00 quando terminamos o duro, mas também excelente passeio que servirá de vitamina semanal para os treze bravos Moukistas. Abraço, até prá-semana.
 Ass: “O Moukista sentado”


1 comentário:

Moukista PL disse...

Este fim de semana bttistico teve muito de incidentes.
Também nós moukistas mais a norte, tivemos os nossos contratempos ao longo da nossa jornada.
Saliento em primeiro lugar os trilhos magníficos que exploramos. Para falar agora sim dos incidentes, que se saldaram numa corrente partida e em dois furos ocorridos de forma sucessiva e que implicaram uma demora de quase uma hora.
No fim de contas, fica a inquietante vontade de regressar o mais rapidamente possivel aos trilhos e conviver lado a lado com o melhor que a natureza tem para nos oferecer.
Bem haja a todos e rápida recuperação do Pires.